Escritório em casa

Trabalho em casa e às vezes tem pássaro no comedouro, logo ali embaixo do abacateiro, não pego o trânsito de todo dia, pode ser que tenha feijão se fazendo na panela enquanto escrevo. Esse é o lado A. 

Do lado B há a exigência de uma disciplina que por vezes não tenho, demandas domésticas que não percebem que aqui também é um escritório, menos contato humano. 

A tecnologia ampliou a independência e eficiência, diminuiu certas distâncias e dispensou boa parte dos encontros presenciais.

Ter um escritório em casa pode significar escrever uma matéria de destaque para um editor desconhecido e assim ele permanecerá mesmo após a matéria ser publicada. 

De modo geral, acho que um texto escrito à distância ainda não é igual a um texto que emerge de momentos de presença física e imersão. Reuniões de pauta presenciais ainda guardam a chama do grupo, a riqueza da diversidade de ideias. 

O lado A do trabalho em casa é fantástico. É bom saber que nenhuma condição de trabalho vai contemplar todas as demandas humanas. Equilibrar o lado B e buscar completude é tarefa minha de cada dia.

Sibélia Zanon | Agência de comunicação soma palavra e forma: o lado A da vida.

Memórias passadas a limpo

Fiz uma arrumação no meu escritório.

Nas entranhas daqueles armários havia histórias de estudos e trabalhos. Fazia tempo que não passeava por aqueles becos.

A arrumação já finalizada trouxe uma revelação importante!

Após revisitar diversas etapas – estudos e cursos passados, trabalhos que foram significativos, publicações que fazem parte do meu portfólio e papeladas que foram recicladas – notei que alguns textos que escrevi numa determinada época, trabalho que não teve longa duração, tinham ganhado certa idealização na minha memória.

Mas, quando olhei as diversas anotações, pesquisas e entrevistas feitas para elaborar aqueles textos, notei que eu precisava seguir muitas regras, havia pouca liberdade criativa ou mesmo autonomia para aquele tipo de escrita.

E então – Eureka! – percebi o quanto eu estava idealizando aquela fase de trabalho e que o meu trabalho de hoje tem ingredientes pra lá de especiais que eu não estava atentando de forma consciente.

Os freelas em educação e meio ambiente, que são o forte na soma palavra e forma, geram a oportunidade de conhecer projetos com uma força transformadora que têm uma linha direta com as coisas que acredito. Propiciam, ainda, a liberdade de exercitar uma escrita e um olhar poéticos sobre mudanças positivas da sociedade. Quem diria que reciclar alguns papéis teria o efeito terapêutico de passar a limpo as memórias? Valeu adentrar as entranhas de madeira. Não pretendo demorar para revisitar aqueles becos – que logo vão se enchendo de novas histórias. Ainda bem!

Sibélia Zanon | Agência de comunicação soma palavra e forma: encantada por boas descobertas

Escolha uma embalagem para encantar

Com um conceito em mente: uma história, uma experiência, uma narrativa escolhe-se a embalagem – a forma – para que a comunicação encante. Ao idealizar a forma, cada elemento selecionado tem um propósito, carrega um sentido, tornando a mensagem significativa.

As regras ajudam a organizar formas e conteúdos. O designer tem o poder de reinterpretá-las para comunicar visualmente o conceito, construindo um produto único e inusitado.

“Todo o design gráfico – toda a produção de imagens, independentemente do meio ou do objetivo – centra-se na manipulação da forma. A ‘forma’ é o substrato: contornos, linhas, texturas, palavras e imagens. Nosso cérebro utiliza a forma para identificar o que é visto; a forma é uma mensagem. Transformar essa forma em algo belo faz com que a tarefa de designer vá além de simplesmente unir elementos e apresentá-los a um público.”

Timothy Samara

Palavra que aproxima

“Nós, humanos, pertencemos uns aos outros, mas não da maneira dos fanáticos , e não da maneira comercialmente infantil. Pertencemos uns aos outros no sentido às vezes atingido na boa literatura: no dom da curiosidade, na aptidão para imaginar a vida na pele de cada um dos outros. E depois o momento de graça, o momento metaforicamente judaico no qual traduzimos nossas profundas diferenças individuais no milagre das pontes construídas por palavras.”

Amós Oz

O tom do texto e o tom da voz são poderes paralelos, que vão além do significado da palavra e podem ajudar na construção de pontes ou, então, no erguimento de barreiras, na efetividade da comunicação ou na rejeição do receptor. Pensar no poder das pontes faz com que pensemos com mais cuidado na seguinte escolha: que tom queremos para a nossa comunicação?

Desenvolver a aptidão para imaginar a vida na pele de cada um dos outros é um gesto de empatia, de compreensão, mas também um passo na busca da efetividade da comunicação. Um discurso carrega impresso em si a história daquele que fala e também a sua intenção. Quando lapidado, carrega em si as palavras certas, capazes de construir uma conexão com o outro. Uma ponte para um outro coração, para uma outra história, para um novo encontro.

Se o caos se insinua em qualquer situação, o valor do uso de palavras-ponte torna-se ainda maior. Elas permanecem como milagres disponíveis, milagres ao alcance de ricos mortais. Ricos em curiosidade pelo outro, ricos em capacidade de percepção do outro, ricos na disposição de dar a palavra-aconchego. Ricos porque quem dá palavra-generosidade, recebe palavra-bênção em troca.

 Em 2019, a Soma palavra e forma quer continuar construindo pontes junto com você!

“Uma palavra caída

das montanhas dos instantes

desmancha todos os mares

e une as terras mais distantes…”

Cecília Meireles

Todo texto passou pelo teclado de um autor

“A raiz de todas as histórias está na experiência de quem as inventa; o que se viveu é a fonte que irriga a ficção. Isso não significa, é claro, que um romance seja sempre uma biografia dissimulada do seu autor, mas, sim, que em toda ficção, mesmo na mais livremente concebida, é possível rastrear um ponto de partida, uma semente íntima, visceralmente ligado à soma de vivências de quem a forjou.”  

Mario Vargas Llosa

Sim, Llosa está falando de ficção e acho essa uma das mais interessantes respostas para a pergunta recorrente: “é autobiográfico?”.

Mas se formos transportar a fala dele para a não-ficção, para o jornalismo, para os retratos da realidade, será que ainda é válida?

Talvez, para responder isso, pudéssemos fazer uma nova pergunta: o fotógrafo fotografa bem porque a máquina dele é boa ou porque ele tem olhos bons?

Provavelmente as duas coisas. Mas os olhos contam mais. É principalmente por conta dos olhos que o fotógrafo vai escolher o ângulo do objeto, vai decidir aquilo que entra e o que sai do enquadramento, vai regular luzes, nublados e clarezas… e vai, assim, tirar o melhor que a máquina tem para dar.

E esses aspectos valem para a fotografia de arte, mas também para a fotografia jornalística. Ainda que seu maior objetivo seja transmitir uma informação, ela não deixa de ser carregada de significados que o fotógrafo ou o editor escolheu passar.

Voltando para Llosa, todas as histórias, não só as de ficção, mas também as matérias jornalísticas passeiam, mesmo involuntariamente, pela biografia de seu autor.

Por mais que se busque a neutralidade ou imparcialidade, sempre haverá um ângulo específico de ver a notícia; um enfoque que privilegie um aspecto mais econômico ou um aspecto mais humano; uma objetividade mais matemática ou uma frase que beire a prosa poética; mais humor ou mais austeridade.

E isso significa que o autor não aprendeu a escrever direito ou não passou pela faculdade de jornalismo?

Nem sempre. Além do fato de o autor trabalhar para uma publicação que tem uma linha editorial específica, isso pode simplesmente significar que ele é um ser humano, uma pessoa influenciável e influenciadora, uma pessoa que carrega uma história, uma pessoa que tem uma bagagem e que já viu diversas paisagens.

Para mim, o mais interessante nisso tudo é que prospectar e receber informações para transformar em comunicação é uma forma de exercitar as lentes, as escolhas, montar o melhor cenário possível.

É, sim, uma forma de arte.

Sibélia Zanon

jornalista pós-graduada em Jornalismo Literário

Sobre o ordinário ou sobre as dobras da informação

“Sempre gostei das histórias pequenas. Das que se repetem, das que pertencem à gente comum. Das desimportantes. O oposto, portanto, do jornalismo clássico. Usando o clichê da reportagem, eu sempre me interessei mais pelo cachorro que morde o homem do que pelo homem que morde o cachorro – embora ache que essa seria uma história e tanto. O que esse olhar desvela é que o ordinário da vida é o extraordinário. E o que a rotina faz com a gente é encobrir essa verdade, fazendo com que o milagre do que cada vida é se torne banal.”

Eliane Brum

Desafio e prazer é olhar o ordinário com olhos de extra. Coisa que é especialidade de Eliane Brum e de tantos adultos e crianças, capazes de sentir o encontro com o poeta dentro de si.

O interessante nisso tudo é que não é o fato o que mais importa, como provavelmente o seria no jornalismo convencional, mas o que mais importa é qual história esse fato conta.

Um cachorro mordeu um homem. Quem é esse homem? Quem é esse cachorro? Que passos fizeram com que eles se encontrassem? O cachorro fugiu de uma casa? Havia um buraco na cerca? O homem conhece o dono do cachorro? O que ele pensa sobre isso? Como a sua vida mudou ou não depois do que aconteceu?

Nós pensamos, nós sentimos, nós questionamos. E quem dá voz a isso tudo? Quando nos permitimos dar voz ao que há de mais relevante e profundo dentro de cada um de nós? Por que não damos mais voz ao que nos toca? Ao que nos encanta? Ao que nos amedronta? Ao intangível? Quantas chances nos damos para expressar isso no cotidiano?

Um cachorro mordeu a perna de um homem. Ele foi levado ao hospital e passa bem. O dono do cachorro prendeu-o novamente e diz ter consertado a cerca.

Ou:

Desde aquele dia André mudou seu caminho diário. Agora ele caminha cinco quadras para chegar ao ponto de ônibus. Antes ele caminhava duas quadras. André nunca mais vai esquecer do dia que gerou essa mudança. As coisas capazes de mudar a vida acontecem tão rápido como as coisas banais e, aparentemente, sem significado. Foi assim que André sentiu naquele dia os segundos mais longos do relógio. Um dia que não tinha anunciado nada de espetacular até que André foi interceptado no meio de um passo. (…)

Há momentos em que podemos optar pela informação básica, direta e objetiva. Mas há momentos em que podemos optar por conhecer não apenas o que está na superfície, mas também o que se oculta nas dobras da informação.

E você? Você tem dado voz às dobras do seu cotidiano?

Sibélia Zanon

jornalista pós-graduada em Jornalismo Literário