Cheguei!

Voltei de viagem pensando que temos o hábito de romantizar as férias. Voltamos geralmente contando como tudo é lindo, como foi maravilhoso sair. Depois ficamos com as fotos e elas testemunham o melhor daqueles dias. Logo esquecemos a bolha no pé, o mau jeito no ombro ao carregar a mala atabalhoadamente, do hotel que não era tão bom.

Sim, descansar a mente ao ver novas paisagens é fundamental e o novo nos cutuca da estagnação.

Mas, tenho pensado muito na energia que nos acompanha a cada novo dia do cotidiano.

Será que daria para deixar-se cutucar pela vida e imprimir nova energia também no trabalho cotidiano?

Numa palestra, o rabino Nilton Bonder questionou: “A sua rotina tem uma relação de integridade com quem você é?” Segundo ele, essa relação faria com que cada um se arrastasse da cama como um escravo ou pulasse dela como um ser livre. Em Walden, Henry David Thoreau dá um empurrãozinho lindo nessa reflexão: “Temos de aprender a redespertar e nos manter despertos, não por meios mecânicos, mas por uma infinita expectativa da aurora, que não nos abandona nem mesmo em nosso sono mais profundo. Desconheço fato mais estimulante do que a inquestionável capacidade do homem de elevar sua vida por um esforço consciente.”

Sibélia Zanon | Agência de comunicação soma palavra e forma: a energia de cada dia

Numa roda de ciranda

“O mar estava tão belo
E um peixe amarelo
Eu vi navegar

Não era peixe não era
Era Iemanjá, Rainha
Dançando a ciranda, ciranda
No meio do mar, ciranda.”

(autor desconhecido)

Em algumas situações vivenciei dinâmicas de roda de ciranda em que o canto, a dança, a improvisação, a criatividade e o lúdico trouxeram encantamento e uma oportunidade de convivência para discutir questões socioambientais.

O grande pano azul flutua pelo ar nas mãos do grupo na roda de ciranda – o peixe amarelo, no centro do pano, convida para refletir sobre as questões que afligem o coração: a poluição das águas, o assoreamento dos rios, o tombar das matas… as questões sociais, o planeta em colapso.

Nessa grande roda de ciranda, a energia é pulsante. O compasso, marcado pela música, canta o abre a roda, o folclore, as cantigas sobre águas, matas, bichos… 

O movimento circular incentiva a busca por mudanças. Mudanças que começam no interior de cada um. Num fluxo crescente, o pano azul conecta todos os sentidos com a energia do bem querer, do mundo melhor, da vida pulsante em pura gratidão.

Indaia Emília | Agência de comunicação soma palavra e forma: lá, onde a transformação pode começar numa roda de ciranda.

O que nos molda?

“Para mim só existe um caminho, o caminho do coração. E nele eu viajo, viajo, olhando, olhando… sem fôlego.” Carlos Castañeda

O movimento para divulgar as mudanças climáticas gerado por Greta Thunberg, ativista sueca de 16 anos, reacendeu minhas memórias de infância e adolescência.

Na década de 70, filhotes de focas eram massacradas pela indústria da moda. Logo em seguida, as baleias sofriam com a caça predatória. Lembro das imagens dos bebês focas recortadas de jornais e revistas e coladas, formando um mosaico na guarda da minha cama.

Meus pais incentivavam a participação das quatro filhas nas lutas pela preservação. Escrevíamos cartas para os jornais, mobilizávamos outras crianças na escola e fazíamos abaixo-assinados, encaminhando para as autoridades. Eram as ferramentas que tínhamos em mãos.

Já adulta, militei numa ONG socioambiental por muitos anos. Lá aprendi que o pequeno pode ser grande. Aprendi outras lições complexas também. Tive meus conhecimentos e apreço pela natureza multiplicados.

Continuo pensando em nossas convicções e ações… em tudo aquilo que nos molda como seres humanos. Quais são as sementes que escolhemos lançar no universo?

Indaia Emília | Agência de comunicação soma palavra e forma: apaixonada por iniciativas transformadoras

somar para ser +

“Pois eu digo que os primeiros químicos foram os cozinheiros! A cozinha é um laboratório onde o fogo separa as coisas que estão juntas e ajunta as coisas que estão separadas.”

Rubem Alves – Vamos construir uma casa? – Doze lições para a educação dos sentidos

É verdade que não estamos abrindo uma confeitaria.

soma – palavra e forma é o novo nome da agência Indaia Emília Comunicação e Design Gráfico, no mercado desde 2001.

Há uma união metafórica entre o fazer com os ingredientes e o fazer com as palavras.

Continue lendo